Gols, Coritiba 2 x 0 Atlético-PR – Campeonato Paranaense 22/02/2015

Curtam nossa página: http://www.facebook.com/LeandroSportsVideos

No clássico da união, Coritiba vence o nervoso Atlético-PR no Couto Pereira
Mais ofensivo e experiente, Coritiba faz 2 a 0 no primeiro tempo, administra e assume o segundo lugar. Atlético-PR mostra nervosismo do início ao fim e cai para oitavo lugar
O Coritiba levou a melhor no “Atletiba da união”. Com gols do atacante Rafhael Lucas e do volante Alan Santos, o time alviverde construiu o placar até os 18 minutos do primeiro tempo e venceu o Atlético-PR por 2 a 0 na noite deste domingo, no Couto Pereira, pela quinta rodada do Campeonato Paranaense. O Verdão chega aos 12 pontos e fica atrás apenas do JMalucelli, que tem 13. O Rubro-Negro, por sua vez, cai para o oitavo lugar, com sete pontos.
O Atletiba 362 era especial antes mesmo de a bola rolar por marcar o primeiro duelo após a aproximação das diretorias dos dois clubes. Coritiba e Atlético-PR têm promovido várias ações em conjunto, como a apresentação de uma mesma patrocinadora e uma entrevista coletiva com a presença de presidentes, técnicos e capitães antes do jogo. A harmonia, como esperado, ficou apenas fora de campo. O jogo teve várias divididas duras e algumas discussões.
No fim, prevaleceu a postura ofensiva e a experiência dos titulares do Coritiba. Rafhael Lucas e Alan Santos fizeram os gols ao aproveitar falhas da defesa rubro-negra. Depois, os mandantes diminuíram o ritmo, mas não tiveram a vitória ameaçada em nenhum momento. Com o resultado, o Verdão ampliou sua vantagem no histórico do clássico. Chegou à 139° vitória, contra 113 do Furacão, além de 110 empates. O clássico teve 15.721 pagantes, com 17.852 presentes e R$ 344.268,00 de renda.
O Coritiba vai tentar assumir a liderança contra o Prudentópolis, às 16h (horário de Brasília) do próximo domingo, no Newton Agibert. Antes, o Atlético-PR buscará a reação contra o Foz do Iguaçu, às 19h30 de quinta-feira, na Arena da Baixada.
O Coritiba tinha uma formação nova no estadual, com três zagueiros e três atacantes. Na frente, Rafhael Lucas atuava centralizado, com Wellington Paulista pela direita e Negueba pela esquerda. Já o Atlético-PR jogava no 4-2-3-1, com Caíque isolado no ataque. Com uma postura mais ofensiva e jogadores mais experientes, o time da casa partiu para a pressão logo no início. E ela não demorou a dar resultado. Aos nove, Rafhael Lucas recebeu de Carlinhos e tocou na saída do goleiro para abrir o placar. No embalo da torcida, que passou a cantar ainda mais forte, o Coxa ampliou. Aos 18, Lucas Macanhan deu rebote após cabeceio de Leandro Almeida, e o volante Alan Santos mostrou oportunismo e mandou para o fundo das redes – 2 a 0.
Com apenas um jogador com mais de 23 anos (o volante Matteus, de 25), o Rubro-Negro mostrava nervosismo. Guilherme Batata errava passes de cinco metros; Gustavo Marmentini abusava das jogadas individuais diante da forte marcação alviverde; Caíque, isolado, praticamente não tocava na bola. O time visitante até conseguiu equilibrar o jogo, muito pelo fato de o rival ter tirado o pé do acelerador, mas só conseguiu criar uma chance clara no primeiro tempo. Marmentini cruzou para a área, e Crysan cabeceou perto. No lance seguinte, porém, a defesa falhou, e Wellington Paulista apareceu livre na área e quase marcou – Lucas Macanhan salvou com a ponta dos dedos.
Coxa tira o pé do acelerador, mas Atlético-PR nem assusta
Para buscar a reação, o técnico Marcelo Vilhena trocou o volante Guilherme Batata pelo meia Bruno Mota na volta para o segundo tempo. Sem sucesso. A equipe seguia errando muitos passes e apostando nas jogadas individuais, facilmente desarmadas pela defesa adversária. Já o Coxa, sem alterações, marcava a saída de bola e trocava passes com categoria. Não levava tanto perigo quanto no primeiro tempo, mas raramente era ameaçado. Em uma chance, Sidcley fez jogada pela esquerda e chutou na rede, pelo lado de fora. Para dar um novo gás ao time, Marquinhos Santos trocou Negueba por Luis Cáceres – que estreou com a camisa alviverde. Depois, tirou Wellington Paulista e colocou Mazinho.
As substituições surtiram efeito. O Coritiba voltou a dominar o jogo e a assustar o rival. Mazinho arriscou de fora da área, por cima. Rafhael Lucas chegou a mandar para o gol, mas a arbitragem já assinalava impedimento. Mazinho, de novo ele, bateu em cima de Lucas Macanhan após receber lilvre na área. No mesmo lance, Rafhael Lucas e Mazinho pararam no goleiro atleticano. No final, Gustavo Marmentini cobrou falta, mas Vaná pulou para salvar.

Compartilhe Agora!

Recomendados Para Você:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Transforme seu Lazer em Algo LucrativoSaiba Mais >>